O Voando em Moçambique é um pequeno tributo à História da Aviação em Moçambique. Grande parte dos seus arquivos desapareceram ou foram destruídos e o que deles resta, permanecem porventura silenciosos nas estantes de muitos dos seus protagonistas. A História é feita por todos aqueles que nela participaram. É a esses que aqui lançamos o nosso apelo, para que nos deixem o seu contributo real, pois de certo possuirão um espólio importante, para que a História dessa Aviação se não perca nos tempos e com ela todos os seus “heróis”. As gerações futuras de certo lhes agradecerão. Muitos desses verdadeiros heróis, ilustres aventureiros desconhecidos, souberam desafiar os perigos de toda a ordem, transportando pessoas e bens de primeira necessidade ou evacuando doentes, em condições meteorológicas adversas, quais “gloriosos malucos das máquinas voadoras”. Há que incentivar todos aqueles que ainda possuam dados e documentos que possam contribuir para que essa História se faça e se não extinga com eles, que os publiquem, ou que os cedam a organizações que para isso estejam vocacionadas. A nossa gratidão a todos aqueles que ao longo dos tempos se atreveram e tiveram a coragem de escrever as suas “estórias” e memórias sobre a sua aviação. Só assim a História da Aviação em Moçambique se fará verdadeiramente, pois nenhum trabalho deste género é suficientemente exaustivo e completo. A todos esses ilustres personagens do nosso passado recente que contra tudo e todos lutaram para que essa história se fizesse, a nossa humilde e sincera homenagem.

A eles dedicamos estas linhas.

José Vilhena e Maria Luísa Hingá

========================

Quem tiver fotos e/ou documentos sobre a Aviação em Moçambique e os queira ver publicados neste blogue, pode contactar-me pelo e-mail:lhinga@gmail.com

=======================

Por motivo alheio algumas das imagens não abrem no tamanho original. Nesse caso podem selecionar “abrir imagem num novo separador” ou “Guardar imagem como…”.

01/11/06

120 - Cte Flávio Carvalho


Flávio Alves de Carvalho
Nasceu a 14 de Junho de 1912 em Chaves, voou pela primeira vez como passageiro num velho Farman em Portugal, decidindo desde logo que queria ser piloto. Chegado a Lourenço Marques em 1940, tornou-se sócio do Aero Clube de Moçambique, inscrevendo-se na sua escola de pilotagem onde iniciou a sua instrução a 12 de Novembro, no Tiger Moth “CR-AAR”, sendo largado após 8 horas de voo. Conseguiu a sua licença de piloto de transporte público em 1942, precisamente no ano em que entrou para a DETA, sendo o seu primeiro voo comercial realizado no velho Hornet Moth “CR-AAA”, transportando um só passageiro. Nesta empresa voou praticamente todos os seus aviões, desde o velho Hornet Moth, passando pelo Dragonfly, Dragon Rapide, Junkers JU-52, Dove, Dakota, Electra, Lodestar e Friendship.
A 13 de Novembro de 1954 atingiu a marca das 10.000 horas de voo num vo realizado no Dakota “CR-ABQ” proveniente de Salisbury, tendo sido o primeiro Piloto Português a ultrapassar as 20.000 horas, quando aterrou com o Friendship CR-AIA em Lourenço Marques proveniente de Joanesburgo a 5 de Junho de 1964.
Reformou-se em 1974, tendo efectuado o seu último voo num Friendship “CR-AIA” a 11 de Dezembro, com um total de 28.453 horas de voo.
Faleceu em Lisboa a 26 de Janeiro de 2001, com 89 anos de idade.
Obrigada Célia Carvalho pela ajuda.


Recortes de Cte. J. Vilhena
Recorte do jornal Noticias de LM, de 6.6.1964 referindo a Homenagem dos colegas pelas 20 000 horas de voo
 Espólio Rui Monteiro

6 comentários:

Bárbara disse...

Olá a todos e parabéns por este blogue. Foi com emoção que nele encontrei fotos do meu avô Cte. Flávio de Carvalho. Era um homem extraordinário. Tenho em minha posse alguns documentos e fotografias que vos enviarei assim que possível e se os acharem interessantes, podem colocá-los no vosso blogue.
Obrigada pelas recordações.
Bárbara Carvalho Moura

Luisa Hingá disse...

Muito obrigada pelo seu comentário.
Fico a aguardar as suas preciosidades.
Ao dispor
Luísa Hingá

Célia disse...

Bem haja por não deixarem quem nunca deve ser esquecido- o meu saudoso pai Flávio Allves de Carvalho. Sou a Célia, filha mais nova e vivi aminha infância de 56 a63 numa casa fantástica na área da Estação antiga.BRinquei com a Lena e Beta,filhas do chefe de estação, sr Morais,o Manel filho do sr Seabra,chefe dos mecânicos, o Caetano, sobrinho do ten. coronel Pinto da Cunha,a Dida, Mita e Tonia filhas do enfermeiro da DETa e que vive agora em Sines(91 frescos anos)e que tantas injeções me deu, todos residindoali naquela área. Brinquei nas pistAS, andei de patins e bicicleta. e no bar da estação bebíamos cocacolas a 1esc.e 50 centavos...Conheci bem , pequena, os comtes Branco, Veloso, Galhardo, Vasco Abreu, Spodes, Zè Maria.Castelo Branco,o Sr Salbany da aeronáutica civil e por aí fora...
Saudades iimagináveis dessa minha terra onde tive o privilegio de nascer e brincar e ser educada, e onde não voltei mais desde que a deixei para ir estudar para C0imbra.Tenho muitas fotos, notícias que vou tentar enviar-vos. Vivo em Lisboa ea Bárbara, minha filha já vos mandou um pequeno comentário ao pé deste.Muito sensibilizada e agradecida, até breve.
Célia de carvalho

Anónimo disse...

olá Luisa
Gostei muito de ver os dados actualizados do meu pai. Haverá um erro de troca de datas... 1937 e 1942. Não?
Comte Vilhena,um muito obrigada
para si
Célia

José Vilhena disse...

Cara Célia de Carvalho
Grato pela chamada de atenção, as datas foram corrigidas.
É sempre um prazer relembrar velhos "mestres" que conheci em Aviação!

Liberato Santos disse...

Conheci a respeitável família do cmdt.Flávio de Carvalho, a Esposa,a Flávia, o Celso(julgo da minha idade) e a Célia.Trabalhei na oficina do Aero Clube de Moçambique.Na altura,1955/6+- tb conheci a Dida Rocha,filha do Enfermeiro Rocha.Mais tarde trabalhei na Sociedade Comercial de Automóveis onde fui colega da Flávia de Carvalho.......Cumprimentos e parabéns por este blogue que visito com frequência.