O Voando em Moçambique é um pequeno tributo à História da Aviação em Moçambique. Grande parte dos seus arquivos desapareceram ou foram destruídos e o que deles resta, permanecem porventura silenciosos nas estantes de muitos dos seus protagonistas. A História é feita por todos aqueles que nela participaram. É a esses que aqui lançamos o nosso apelo, para que nos deixem o seu contributo real, pois de certo possuirão um espólio importante, para que a História dessa Aviação se não perca nos tempos e com ela todos os seus “heróis”. As gerações futuras de certo lhes agradecerão. Muitos desses verdadeiros heróis, ilustres aventureiros desconhecidos, souberam desafiar os perigos de toda a ordem, transportando pessoas e bens de primeira necessidade ou evacuando doentes, em condições meteorológicas adversas, quais “gloriosos malucos das máquinas voadoras”. Há que incentivar todos aqueles que ainda possuam dados e documentos que possam contribuir para que essa História se faça e se não extinga com eles, que os publiquem, ou que os cedam a organizações que para isso estejam vocacionadas. A nossa gratidão a todos aqueles que ao longo dos tempos se atreveram e tiveram a coragem de escrever as suas “estórias” e memórias sobre a sua aviação. Só assim a História da Aviação em Moçambique se fará verdadeiramente, pois nenhum trabalho deste género é suficientemente exaustivo e completo. A todos esses ilustres personagens do nosso passado recente que contra tudo e todos lutaram para que essa história se fizesse, a nossa humilde e sincera homenagem.

A eles dedicamos estas linhas.

José Vilhena e Maria Luísa Hingá

========================

Quem tiver fotos e/ou documentos sobre a Aviação em Moçambique e os queira ver publicados neste blogue, pode contactar-me pelo e-mail:lhinga@gmail.com

=======================

Por motivo alheio algumas das imagens não abrem no tamanho original. Nesse caso podem selecionar “abrir imagem num novo separador” ou “Guardar imagem como…”.

23/04/18

929 - Comandante António Ferreira Henriques Cunha.


Nascido a 27 de Julho de 1933 na Madeira, estudou Direito e ingressou como voluntário na Força Aérea Portuguesa onde foi brevetado.
Terminado o contrato foi para Moçambique onde colaborou nos estudos da bacia hidrográfica do rio Zambeze integrado na Missão de Fomento e Povoamento do Zambeze (MFPZ).
Mais tarde transitou para os Serviços Geográficos e Cadastrais, onde acabou por ser seu piloto chefe.
Foi o primeiro piloto civil de helicópteros em Portugal, em 48 anos de aviação efetuou mais de 15.000 horas de voo
Regressou a Portugal em 1977 onde fundou a Aero Algarve - Serviços Aéreos Lda. com sede em Portimão, empresa que mais tarde vendeu.




Piper PA-22 Tripacer 150 "CR-AFN"

























20/04/18

928 - Comandante Jorge Cruz

Celestino Jorge Cruz Galego, de seu nome completo, nasceu em Coimbra a 16 de Junho de 1943. Obteve a licença de Piloto Particular de Aeroplanos em 1961 na Escola da Mocidade Portuguesa, enquanto frequentava os estudos secundários no Instituto Técnico Militar dos Pupilos do Exército. Foi mobilizado para Angola em 1964 no Serviço de Administração Militar, tendo-se oferecido voluntariamente para os Comandos onde cumpriu o serviço militar nos Comandos. Obteve a Licença de Paraquedista na escola do Aero Clube de Luanda tendo frequentando o 1º Curso de Paraquedismo Civil em Portugal. Já com a Licença de Piloto Comercial iniciou a sua atividade profissional na Guiné em 1965 ao serviço dos TAGP – Transportes Aéreos da Guiné Portuguesa, voando Cessna 172, Cessna 206, Dornier DO.27 e o quadrimotor DeHavilland DH.114 Heron 2. Em 1968 foi residir para Nampula onde para além de piloto dos Transportes Aéreos Comerciais (TAC), foi Diretor da Escola e membro diretivo do Aero Clube de Nampula, tendo mais tarde voado para a SAM – Serviço Aéreo de Moçambique em Lourenço Marques. Em 1976 regressa a Lisboa onde esteve ligado a algumas empresas de táxi aéreo tendo sido Diretor de Operações de Voo e Piloto Chefe da Lusitanair – Transportes Aéreos Comerciais SA. Possuía igualmente as licenças de piloto comercial americana e inglesa, o que lhe permitia voar em aviões destas duas nacionalidades. Em 1994 fez a travessia do Atlântico Norte num monomotor Beechcraft Bonanza “Asas da Teimosia” em companhia do Comandante Faria e Mello, tendo em 1987 protagonizado o Raid Sagres Macau num monomotor Mooney 20E “Sagres” percorrendo 30 mil quilómetros em 26 dias. Reformou-se em Junho de 2003 aos 60 anos de idade, quando voava Convair 580 na empesa ACEF -Transportes Aéreos e Carga com sede em Évora.


 LUSITANAIR
 TAC
TAGP
Fernando Bárbara Pinheiro e Jorge Cruz Galego











 Licença FAA
Livro publicado por Jorge Cruz

15/09/17

924 - Piper PA-23 Aztec 250 CR-AHI, da TAN e a aterrar o CR-AJH, da CASS

Piper PA-23 Aztec 250 "CR-AHI"
A aterrar o CR-AJH da CASS
Foto enviada por Nuno Calhau

22/08/17

923 - Vítor Manuel Gonçalves da Silva

Vitor Manuel Gonçalves da Silva nasceu na Guarda em 1940, filho de Joaquim Augusto da Silva e Teresa Miguel Gonçalves. Foi incorporado na Força Aérea Portuguesa como Furriel Piloto Miliciano em 1960 (curso P1/60) tendo sido brevetado na base aérea de S. Jacinto. Realizou o seu primeiro voo a 26 de Maio de 1960 no DHC-1 Chipmunk com o registo 1322. Cumpriu o serviço militar na AB-5 de Nampula em Moçambique, tendo passado à disponibilidade em Outubro de 1965 como Sargento Piloto Miliciano. Permaneceu em Moçambique depois de deixar o serviço militar como piloto comercial, tendo voado em várias empresas de táxi aéreo e acionista entre elas a EMAC, TAN, Emtepua e “Pulverizações K” de Nampula Foi Inspetor de Voo do Serviço de Aeronáutica Civil de Moçambique entre 1973 e 1974. Vários foram os louvores que recebeu por missões realizadas em condições de perigo e risco de vida entre elas a Medalha de Prata de Dedicação e Mérito concedida pelo Governador Geral da província de Moçambique. Realizou o seu último voo em Moçambique em Junho de 1975, tendo regressado a Portugal onde tentou formar uma empresa de táxi aéreo nos Açores, projeto que não conseguiu levar por diante face aos constrangimentos burocráticos de então. O seu voo final teve lugar a 31 de Janeiro de 1996 em Coimbra, tendo averbado um total de 7.430 horas de voo. Faleceu a 03 de Março de 2017.

Museu do Ar
(c/ Júlio Pegado e João Vidal)

Inauguração dos escritórios dos TAN



Inauguração dos escritórios dos TAN
Curso P1/60

S. Jacinto
 Juramento de Bandeira em S. Jacinto
FAP (Moçambique)




Curso P1/60

Inauguração dos escritórios dos TAN



Cabora Bassa
S. Jacinto



Inauguração dos escritórios dos TAN
Inauguração dos escritórios dos TAN






Caderneta Militar
Curso P1/60