O Voando em Moçambique é um pequeno tributo à História da Aviação em Moçambique. Grande parte dos seus arquivos desapareceram ou foram destruídos e o que deles resta, permanecem porventura silenciosos nas estantes de muitos dos seus protagonistas. A História é feita por todos aqueles que nela participaram. É a esses que aqui lançamos o nosso apelo, para que nos deixem o seu contributo real, pois de certo possuirão um espólio importante, para que a História dessa Aviação se não perca nos tempos e com ela todos os seus “heróis”. As gerações futuras de certo lhes agradecerão. Muitos desses verdadeiros heróis, ilustres aventureiros desconhecidos, souberam desafiar os perigos de toda a ordem, transportando pessoas e bens de primeira necessidade ou evacuando doentes, em condições meteorológicas adversas, quais “gloriosos malucos das máquinas voadoras”. Há que incentivar todos aqueles que ainda possuam dados e documentos que possam contribuir para que essa História se faça e se não extinga com eles, que os publiquem, ou que os cedam a organizações que para isso estejam vocacionadas. A nossa gratidão a todos aqueles que ao longo dos tempos se atreveram e tiveram a coragem de escrever as suas “estórias” e memórias sobre a sua aviação. Só assim a História da Aviação em Moçambique se fará verdadeiramente, pois nenhum trabalho deste género é suficientemente exaustivo e completo. A todos esses ilustres personagens do nosso passado recente que contra tudo e todos lutaram para que essa história se fizesse, a nossa humilde e sincera homenagem.

A eles dedicamos estas linhas.

José Vilhena e Maria Luísa Hingá

========================

Quem tiver fotos e/ou documentos sobre a Aviação em Moçambique e os queira ver publicados neste blogue, pode contactar-me pelo e-mail:lhinga@gmail.com

=======================

Por motivo alheio algumas das imagens não abrem no tamanho original. Nesse caso podem selecionar “abrir imagem num novo separador” ou “Guardar imagem como…”.

15/09/17

924 - Piper PA-23 Aztec 250 CR-AHI, da TAN e a aterrar o CR-AJH, da CASS

Piper PA-23 Aztec 250 "CR-AHI"
A aterrar o CR-AJH da CASS
Foto enviada por Nuno Calhau

22/08/17

923 - Vítor Manuel Gonçalves da Silva

Vitor Manuel Gonçalves da Silva nasceu na Guarda em 1940, filho de Joaquim Augusto da Silva e Teresa Miguel Gonçalves. Foi incorporado na Força Aérea Portuguesa como Furriel Piloto Miliciano em 1960 (curso P1/60) tendo sido brevetado na base aérea de S. Jacinto. Realizou o seu primeiro voo a 26 de Maio de 1960 no DHC-1 Chipmunk com o registo 1322. Cumpriu o serviço militar na AB-5 de Nampula em Moçambique, tendo passado à disponibilidade em Outubro de 1965 como Sargento Piloto Miliciano. Permaneceu em Moçambique depois de deixar o serviço militar como piloto comercial, tendo voado em várias empresas de táxi aéreo e acionista entre elas a EMAC, TAN, Emtepua e “Pulverizações K” de Nampula Foi Inspetor de Voo do Serviço de Aeronáutica Civil de Moçambique entre 1973 e 1974. Vários foram os louvores que recebeu por missões realizadas em condições de perigo e risco de vida entre elas a Medalha de Prata de Dedicação e Mérito concedida pelo Governador Geral da província de Moçambique. Realizou o seu último voo em Moçambique em Junho de 1975, tendo regressado a Portugal onde tentou formar uma empresa de táxi aéreo nos Açores, projeto que não conseguiu levar por diante face aos constrangimentos burocráticos de então. O seu voo final teve lugar a 31 de Janeiro de 1996 em Coimbra, tendo averbado um total de 7.430 horas de voo. Faleceu a 03 de Março de 2017.

Museu do Ar
(c/ Júlio Pegado e João Vidal)

Inauguração dos escritórios dos TAN



Inauguração dos escritórios dos TAN
Curso P1/60

S. Jacinto
 Juramento de Bandeira em S. Jacinto
FAP (Moçambique)




Curso P1/60

Inauguração dos escritórios dos TAN



Cabora Bassa
S. Jacinto



Inauguração dos escritórios dos TAN
Inauguração dos escritórios dos TAN






Caderneta Militar
Curso P1/60


25/05/17

922 - CR-MAF - Sexto Avião registado em Moçambique





Foto do espólio de Torre do Valle

921 - CR-MAD - Quarto Avião registado em Moçambique

O DH.80A Puss Moth “CR-MAD” de Alfredo Santos Gil, registado na Colónia de Moçambique em 1933.
Foi posteriormente utilizado pela Aero Colonial tendo sido destruído a 02/11/1935.
Adquirido na África do Sul onde ostentava o registo ZS-ADT.

Mavalane - Chegada a Lourenço Marques do "CR-MAD" (1933)



Foto do espólio de Rui Monteiro

30/03/17

920 - O desembarque dos três Lockheed Super Electra da DETA em 1940

Copiado de http://housesofmaputo.blogspot.pt/

A DETA adquiriu em 1940 três aviões Lockheed Super Electra nos Estados Unidos. Estas imagens deles são do espectacular site VoandoemMozambique (VeM). Tentamos com elas reviver o épico dia do seu desembarque no porto de Lourenço Marques, actual Maputo. Algumas ou todas foram feitas pelo mecânico da Lockheed Aircraft que veio a Moçambique efectuar a montagem e foram disponibilizadas ao VeM pelo filho (aqui no VeM) que chama a este período os "anos dourados" da aviação. Os aviões foram transportados no navio com as asas semi desmontadas, sem estabilizadores verticais e com os vidros e motores bem protegidos. 
FOTO 1
CR-AAZ (chamado Búzi) no cais de LM desembarcando em Junho de 1940
O CR-AAZ acaba de tocar com as rodas no chão pois o cabo de aço do guindaste começa a ficar lasso. Foi o primeiro a ser desembarcado e ficou na posição mais para nascente = leste do porto e mais próximo da saída para onde será rebocado pela traseira.

FOTO 2
Os três aviões desembarcados entre o cais e os armazéns
(de artigo de 1985 re-publicado no VeM)
O avião que está mais à frente nesta FOTO 2 foi o último a ser desembarcado e ainda tem o cabo de aço preso. O CR-AAZ está ao fundo na posição vista na primeira foto e frente a um dos grandes espaços livres entre os armazéns do porto.

FOTO 3
Os três aviões saem do porto para a Praça Mac Mahon, actual dos Trabalhadores
São rebocados pela traseira e o que vem à frente é o CR-AAZ da FOTO 1. 
Podemos idealisar o que aconteceu no mapa de 1940 - que será mais ou menos fiável - e numa foto dos anos 50 em que penso que algo estava já diferente, mas deve dar uma ideia geral do trajecto efectuado.

MONTAGEM 4
Vermelho: CR-AAZ, o primeiro avião a ser desembarcado e a sair do porto
Castanho claro e rosa: os outros dois aviões 
que tiveram mesma sequência de desembarque e de saída
Laranja: primeira central do porto que se adivinha na FOTO 1 para lá do armazém
Linha azul clara: linha de vista da FOTO 1,

passando ao lado da esquina do armazém
Verde: alfândega nova, edifício de 2 pisos à direita na FOTO 3
Amarelo: armazém ao fundo da FOTO 1
Roxo: trajecto de saída do porto para a cidade.
Castanho escuro: Praça Mac Mahon já fora do porto
Noto que na foto da MONTAGEM 2, bastante posterior a 1940, havia construções na primeira curva do trajecto que não deviam existir em 1940 como se mostra no mapa. Este local no cais deve ter sido expressamente escolhido para a atracagem do navio com o intuito de possibilitar a melhor saída dos aviões para fora do porto.

Mais uma pequena achega do HoM. Na FOTO 3 vê-se que o tractor do CR-AAZ tem matrícula dos CFM, Caminhos de Ferro de Moçambique. Em 1936, 4 anos antes, os CFM anunciaram um programa de motorização do cais para reduzir o recurso a trabalho manual e publicitaram esta imagem:  

FOTO 5
Porto de LM em 1936 - tractor eléctrico de 40 toneladas
No entanto o tractor da FOTO 5 é diferente do da FOTO 3 e de facto para estes aviões podem ter sido usados tractores muito menos potentes (também não sei se seria mais conveniente serem eléctricos ou não). Segundo a Wikipedia o peso vazio do Super Electra é de só 4.8 tons - Empty weight: 10,750 lb (4,876 kg).

Voltamos às imagens do VeM:
FOTO 6
Tractor e CR-AAZ parecem-me a chegar ao aeroporto
Das fotos detalhadas no VeM com os Lockheed Super Electra, eis uma do trio ainda intacto com o Zambeze em primeiro plano: 

FOTO 7
Os três Super Electra da DETA frente ao primeiro hangar 
com a aerogare de Mavalane ao fundo.
Quadro sobre os Lockheed 14-H2 Super Electra
cortesia Voando em Mozambique
MatriculaNomeNotas
CR-AAVLimpopoDestruído a 23/02/44 em Quelimane, comandante Francisco Pinto Teixeira
CR-AAXZambezeDestruído a 14/11/41 em Inhambane, comandante Borges Delgado
CR-AAZBúziDesmantelado a 5/8/54

Note-se que o comandante Francisco Pinto Teixeira vitimado em Quelimane era filho do Eng. Pinto Teixeira, o histórico director dos CFM que lançou a DETA. Como se vê o CR-AAZ Búzi foi o único destes Super Electra que chegou ao fim da vida útil. A DETA não comprou mais deste mas fez compras doutros modelos à Lockheed.