O Voando em Moçambique é um pequeno tributo à História da Aviação em Moçambique. Grande parte dos seus arquivos desapareceram ou foram destruídos e o que deles resta, permanecem porventura silenciosos nas estantes de muitos dos seus protagonistas. A História é feita por todos aqueles que nela participaram. É a esses que aqui lançamos o nosso apelo, para que nos deixem o seu contributo real, pois de certo possuirão um espólio importante, para que a História dessa Aviação se não perca nos tempos e com ela todos os seus “heróis”. As gerações futuras de certo lhes agradecerão. Muitos desses verdadeiros heróis, ilustres aventureiros desconhecidos, souberam desafiar os perigos de toda a ordem, transportando pessoas e bens de primeira necessidade ou evacuando doentes, em condições meteorológicas adversas, quais “gloriosos malucos das máquinas voadoras”. Há que incentivar todos aqueles que ainda possuam dados e documentos que possam contribuir para que essa História se faça e se não extinga com eles, que os publiquem, ou que os cedam a organizações que para isso estejam vocacionadas. A nossa gratidão a todos aqueles que ao longo dos tempos se atreveram e tiveram a coragem de escrever as suas “estórias” e memórias sobre a sua aviação. Só assim a História da Aviação em Moçambique se fará verdadeiramente, pois nenhum trabalho deste género é suficientemente exaustivo e completo. A todos esses ilustres personagens do nosso passado recente que contra tudo e todos lutaram para que essa história se fizesse, a nossa humilde e sincera homenagem.

A eles dedicamos estas linhas.

José Vilhena e Maria Luísa Hingá

========================

Quem tiver fotos e/ou documentos sobre a Aviação em Moçambique e os queira ver publicados neste blogue, pode contactar-me pelo e-mail:lhinga@gmail.com

=======================

Por motivo alheio algumas das imagens não abrem no tamanho original. Nesse caso podem selecionar “abrir imagem num novo separador” ou “Guardar imagem como…”.

11/11/06

134-Voando para Quissengue.



Auster igual ao referido no artigo. Clicar aqui, para poder ver a página do Museu do Ar .

Excertos do artigo de Guilherme José de Melo, com o nome Os Espantosos Dançarinos do Quissengue, que podem ler na integra, aqui..




.... O avião que me transporta é um dos pequeníssimos mas rijos «Auster» confiados à Formação Aérea de Voluntários, e o tenente Tito Xavier quem o conduz. Noutro igual àquele em que sigo viaja o meu camarada de jornada, com o piloto Fernando José ao comando.
E, da série de aldeamentos, o do Olumbe o que fica mais junto ao litoral, mesmo na costa, acima de Mocímboa da Praia, e muito embora fosse ali que desejássemos descer primeiramente, isso torna-se-nos impossível, alagada a pista de aterragem pelas violentas chuvadas dos últimos dias.

.....Damos duas ou três voltas largas e quase rasantes por sobre o aldeamento, com a população em peso acorrendo das casas, precipitando-se num frenesi para a pista anexa, aberta a pá e a catana. Vejo homens correndo de arma na mão, dispondo-se a intervalos regulares a toda a volta da faixa de aterragem, enquanto outros, em grupos, se internam no mato próximo. E, minutos volvidos, sobe no mastro, lá em baixo, uma bandeira verde. A meu lado, o tenente Tito Xavier explica-me que aquele é o sinal de que tudo está O.K., preocupações tomadas, a defesa da pista feita, as milícias a postos e que podemos aterrar.
O aparelho corta a velocidade, faz-se à pista, baixa, toca o solo, rola, e quando se detém ...

Da esquerda para a direita na foto: Tenente Tito Xavier, jornalista Guilherme de Melo e Régulo de Nhica do Rovuma. Foto de Tito Xavier.

Sem comentários: