O Voando em Moçambique é um pequeno tributo à História da Aviação em Moçambique. Grande parte dos seus arquivos desapareceram ou foram destruídos e o que deles resta, permanecem porventura silenciosos nas estantes de muitos dos seus protagonistas. A História é feita por todos aqueles que nela participaram. É a esses que aqui lançamos o nosso apelo, para que nos deixem o seu contributo real, pois de certo possuirão um espólio importante, para que a História dessa Aviação se não perca nos tempos e com ela todos os seus “heróis”. As gerações futuras de certo lhes agradecerão. Muitos desses verdadeiros heróis, ilustres aventureiros desconhecidos, souberam desafiar os perigos de toda a ordem, transportando pessoas e bens de primeira necessidade ou evacuando doentes, em condições meteorológicas adversas, quais “gloriosos malucos das máquinas voadoras”. Há que incentivar todos aqueles que ainda possuam dados e documentos que possam contribuir para que essa História se faça e se não extinga com eles, que os publiquem, ou que os cedam a organizações que para isso estejam vocacionadas. A nossa gratidão a todos aqueles que ao longo dos tempos se atreveram e tiveram a coragem de escrever as suas “estórias” e memórias sobre a sua aviação. Só assim a História da Aviação em Moçambique se fará verdadeiramente, pois nenhum trabalho deste género é suficientemente exaustivo e completo. A todos esses ilustres personagens do nosso passado recente que contra tudo e todos lutaram para que essa história se fizesse, a nossa humilde e sincera homenagem.

A eles dedicamos estas linhas.

José Vilhena e Maria Luísa Hingá

========================

Quem tiver fotos e/ou documentos sobre a Aviação em Moçambique e os queira ver publicados neste blogue, pode contactar-me pelo e-mail:lhinga@gmail.com

=======================

Por motivo alheio algumas das imagens não abrem no tamanho original. Nesse caso podem selecionar “abrir imagem num novo separador” ou “Guardar imagem como…”.

23/07/09

612 - EMAC - Empresa Moçambicana de Aviação Comercial

 Escritura da criação da EMAC
 Escritura da criação da EMAC
Foto de Sonck Jean Pierre

C9-AQE

C9-AQE

Na foto da esq. para a direita – Comandante do Sector de Vila Cabral (Nome ?), D. Eurico Dias Nogueira - Bispo da Diocese de V. Cabral (de costas) e o a seguir o piloto J. Lourenço (a roer as unhas como habitualmente). Inf. do Cte. Vítor Silva.Foto copiada na net.
BN-2A Islander "CR-ALS"

CR-AME - Tipo de aeronave: BN-2A-6 Islander Operador: EMAC
Fotos de Samuel Peixoto com a legenda:

"Podemos ver o Islander que ás terças e sextas nos levava o correio a Murrupa. Ano 1972."



Cte José Eduardo e Islander da EMAC
A foto foi tirada em Negomano, (Cabo Delgado) , em 1973. Inf. Araújo.
O piloto que está junto ao Islander (que pode ser o CR-AME) é o Zé Eduardo (José Eduardo Encarnação de Jesus) que mais tarde foi para a DETA casou com a Íris Maria (Miss Moçambique) e reformou-se há pouco como Comandante de A310 na TAP.
Fotos de Sdiego e Legenda de António Coelho


Chegada do CR-ALR a Vila Cabral com feridos.
Foto de cte. Vitor Silva.
CR-ALR



CR-ALR - Foto de Nuno Calhau

CR-ALR
CR-ALR

CR-ALR

CR-ALR e Cte. Joaquim Craveiro, no Livro Mato e Morro

CR-ALR


Mato e Morro
 
Do livro recém-publicado pela editora Prefácio, da autoria de João Fernandes, um pequeno excerto:



Ouve-se um ruído de motor. Lá no fundo, na direcção de Furancungo, vê-se um ponto negro.


- É o avião do Craveiro. Rápido pessoal para a protecção da pista.

O avião do Craveiro dá uma primeira volta rasando o quartel, o Baltasar agita a bandeira autorizando a aterragem.

O Craveiro, um homem dos seus quarenta anos, magro, moreno cabelo penteado para trás, em calções, meia alta, sapato preto e camisa de manga curta branca, desce do seu bimotor e cumprimenta os Furriéis
   
-Bom meus amigos para a semana volto novamente . – despede-se o Craveiro. Entra no avião liga os motores, acena, desliza aproveitando o declive da pista e levanta suavemente ruma a Vila Gamito.
Mais um excerto:
Meses depois tive de regressar de Tete, fui ao aeroporto apnhar o pequeno Cherokee do sr. Craveiro e regressar a Chizampeta.  
Depois de levantarmos de Tete, que fica numa cova, dirigimo-nos para norte, para a região da Angónia, uma zona de planalto que nos aparece coberta de nuvens e que o piloto tem de sobrevoar. Passa cerca de uma hora desde que descolamos e voamos acima das nuvens, não se consegue distinguir nada a não ser um denso manto branco que mais parece algodão.

Embora tenha uma grande confiança no piloto, começo a ficar preocupado. Como se lesse os meus pensamentos o sr. Craveiro, de camisa de manga curta branca e de calções, tira os auscultadores, consulta o relógio e diz-me:

- Temos que descer, vou furar as nuvens, devemos estar sobre Chizampeta.


O avião baixa, fura o tecto de nuvens e realmente lá estava, relativamente perto, o nosso aquartelamento.

Este tipo era mesmo muito bom.....

Obrigada Cte Vilhena pelo texto e fotos. Já avisei o Cte. Craveiro que ficou todo emocionado.
 
   



611-CR-AMD da DETA






Fotos de Samuel Peixoto acompanhadas pelo seguinte texto:
"Fui "rebuscar" uns antigos diapositivos de 1972 tendo encontrado 3 sobre a visita que o Friendship fazia aos sábados a Marrupa . Na primeira foto podemos ver o Friendship ainda com os motores parados a receber indicação para o respectivo arranque. Depois já com os motores em pleno e finalmente a deslocar-se para a pista para a descolagem.
Os diapositivos são de 1972 pelo que a qualidade não é totalmente famosa. ."

O meu obrigada a Samuel Peixoto.

16/07/09

610-CR-BAA e CR-BAA, B737 da DETA, em Lisboa

CR-BAA
CR-BAA
CR-BAA
CR-BAA
CR-BAA
CR-BAA
CR-BAA
CR-BAA
CR-BAA
CR-BAB
CR-BAB
CR-BAB

Fotos enviadas pelo Cte. Gabriel Cavaleiro com o texto a seguir referido:

"Quando os novos B737 da Deta passaram por Lisboa, neste momento não me lembro da data, na minha posição de piloto TAP, tive acesso directo aos aviões na placa. Dentro e fora dos aviões.

Mando-lhe as minhas preciosas fotos
Cumpts

Gabriel Cavaleiro"




Obrigada Cte. Cavaleiro.