O Voando em Moçambique é um pequeno tributo à História da Aviação em Moçambique. Grande parte dos seus arquivos desapareceram ou foram destruídos e o que deles resta, permanecem porventura silenciosos nas estantes de muitos dos seus protagonistas. A História é feita por todos aqueles que nela participaram. É a esses que aqui lançamos o nosso apelo, para que nos deixem o seu contributo real, pois de certo possuirão um espólio importante, para que a História dessa Aviação se não perca nos tempos e com ela todos os seus “heróis”. As gerações futuras de certo lhes agradecerão. Muitos desses verdadeiros heróis, ilustres aventureiros desconhecidos, souberam desafiar os perigos de toda a ordem, transportando pessoas e bens de primeira necessidade ou evacuando doentes, em condições meteorológicas adversas, quais “gloriosos malucos das máquinas voadoras”. Há que incentivar todos aqueles que ainda possuam dados e documentos que possam contribuir para que essa História se faça e se não extinga com eles, que os publiquem, ou que os cedam a organizações que para isso estejam vocacionadas. A nossa gratidão a todos aqueles que ao longo dos tempos se atreveram e tiveram a coragem de escrever as suas “estórias” e memórias sobre a sua aviação. Só assim a História da Aviação em Moçambique se fará verdadeiramente, pois nenhum trabalho deste género é suficientemente exaustivo e completo. A todos esses ilustres personagens do nosso passado recente que contra tudo e todos lutaram para que essa história se fizesse, a nossa humilde e sincera homenagem.

A eles dedicamos estas linhas.

José Vilhena e Maria Luísa Hingá

========================

Quem tiver fotos e/ou documentos sobre a Aviação em Moçambique e os queira ver publicados neste blogue, pode contactar-me pelo e-mail:lhinga@gmail.com

=======================

Por motivo alheio algumas das imagens não abrem no tamanho original. Nesse caso podem selecionar “abrir imagem num novo separador” ou “Guardar imagem como…”.

18/12/06

172- Aerogare de Angoche

Transcrevo o comentário deixado por Carlos Brites.
"A aerogare da A.Enes (Angoche) nem sequer electricidade tinha. A pista era iluminada para aterragens nocturnas com candeeiros a combustível líquido que eram distribuídos ao longo da pista utilizando o Land Rover da Aeronautica Civil. Nestes casos a carrinha da DETA era posicionada na "placa", se assim se pode chamar ao terreiro em frente à aerogare e separada desta por uma farta vedação vegetal, com os faróis acesos para iluminar o local. Cheguei a fazer "folhas de carga e de centragem" do F27 à luz do petromax usando a velhinha calculadora "facit" a manivela... bons velhos tempos.
CB"

Foto do Prof. Raúl Ferrão.

4 comentários:

Anónimo disse...

UM SANTO NATAL E QUE 2007 SEJA DE FACTO UM "ANO ÍMPAR"... :-)

carlos brites disse...

A aerogare da A.Enes (Angoche) nem sequer electricidade tinha. A pista era iluminada para aterragens nocturnas com candeeiros a combustível líquido que eram distribuídos ao longo da pista utilizando o Land Rover da Aeronautica Civil. Nestes casos a carrinha da DETA era posicionada na "placa", se assim se pode chamar ao terreiro em frente à aerogare e separada desta por uma farta vedação vegetal, com os faróis acesos para iluminar o local. Cheguei a fazer "folhas de carga e de centragem" do F27 à luz do petromax usando a velhinha calculadora "facit" a manivela... bons velhos tempos.
CB

Anónimo disse...

gostava saber da familia pacheco paradela que nos anos 60 teve acidente de aviacao e morreu dentro da avioneta carbonizado

Luisa Hingá disse...

Pode por favor identificar-se? Nesta casa é essa a norma.
Obrigada desde já.
Luísa Hingá