O Voando em Moçambique é um pequeno tributo à História da Aviação em Moçambique. Grande parte dos seus arquivos desapareceram ou foram destruídos e o que deles resta, permanecem porventura silenciosos nas estantes de muitos dos seus protagonistas. A História é feita por todos aqueles que nela participaram. É a esses que aqui lançamos o nosso apelo, para que nos deixem o seu contributo real, pois de certo possuirão um espólio importante, para que a História dessa Aviação se não perca nos tempos e com ela todos os seus “heróis”. As gerações futuras de certo lhes agradecerão. Muitos desses verdadeiros heróis, ilustres aventureiros desconhecidos, souberam desafiar os perigos de toda a ordem, transportando pessoas e bens de primeira necessidade ou evacuando doentes, em condições meteorológicas adversas, quais “gloriosos malucos das máquinas voadoras”. Há que incentivar todos aqueles que ainda possuam dados e documentos que possam contribuir para que essa História se faça e se não extinga com eles, que os publiquem, ou que os cedam a organizações que para isso estejam vocacionadas. A nossa gratidão a todos aqueles que ao longo dos tempos se atreveram e tiveram a coragem de escrever as suas “estórias” e memórias sobre a sua aviação. Só assim a História da Aviação em Moçambique se fará verdadeiramente, pois nenhum trabalho deste género é suficientemente exaustivo e completo. A todos esses ilustres personagens do nosso passado recente que contra tudo e todos lutaram para que essa história se fizesse, a nossa humilde e sincera homenagem.

A eles dedicamos estas linhas.

José Vilhena e Maria Luísa Hingá

========================

Quem tiver fotos e/ou documentos sobre a Aviação em Moçambique e os queira ver publicados neste blogue, pode contactar-me pelo e-mail:lhinga@gmail.com

=======================

Por motivo alheio algumas das imagens não abrem no tamanho original. Nesse caso podem selecionar “abrir imagem num novo separador” ou “Guardar imagem como…”.

28/03/07

262-Cte. Álvaro Matias da Silva Nogueira


Biografia feita pela sobrinha Elisabete

Nasceu numa pequena aldeia, chamada Telhado, da freguesia do Fundão a 16 de Outubro de 1913.

Concluída a instrução primária, ingressa no "Instituto de Missões Coloniais" em Cernache do Bonjardim a 24/9/923 e daí para o Liceu de Castelo Branco onde fica até 1926, completando, assim, o que era chamado " Curso dos Liceus".

Ingressa no serviço militar em 25/2/1931 até 1/6/1933. Completa também em 1935 o Curso Comercial, começando a trabalhar nos escritórios de uma Fábrica de Curtumes, em Lisboa.

Concorre, entretanto à Companhia de Fomento de Cabo Verde, onde é admitido ainda em 1935 e onde desempenhou várias funções.

Regressado à Metrópole em 1938, tira o seu "brevet" particular de piloto aviador em finais do mesmo ano.

Chamado por seu tio José Alves Nogueira - Intendente em Nametil, embarca no dia 7/1/1939 com destino a Moçambique, no Vapor "NIASSA", procedente de Hamburgo, via Canal do Suez, tendo escalado 12 portos.

Admitido em 1939 para os Caminhos de Ferro de Moçambique, de que a DETA fazia parte, vai para Johannesburg, onde frequenta a School of Aeronautics de Witwarter Rand Technical College, escola de pilotos da DETA, onde tira os certificados de piloto aviador de linhas aéreas em 1941, Navegador Aeronáutico em 1943 e ainda Radiotelegrafista.

Aguardando vaga na DETA, presta serviço Administrativo nos Caminhos de Ferro de Moçambique entre 1941 a 1943, ano em que inicia a actividade regular de piloto aviador, passando um ano depois à categoria de Capitão de Aeronaves. Salvo erro, era na altura o comandante português mais jovem

Em 1948 frequenta a "Havilland Aircraft School em Hattfield - Inglaterra.

Torna-se Presidente do Aero Club de Moçambique, sucedendo-lhe o Sr. Rui de Novais Monteiro.

Em 1949, de licença da DETA, vai aos Açores prestar serviços na SATA, a título experimental, durante 3 meses. Não aceita as condições oferecidas e regressa a L. M.
Em 1951, de Licença ilimitada da DETA, regressa à SATA por um período de 3 anos, a pedido da Administração, onde, além das funções de Piloto Aviador, chefiava os Serviços Técnicos e de Exploração.

Regressa à DETA em 1957. É designado para Delegado da U.A.T. em L. M., cargo que acumulou cerca de 2 anos.

Ainda de Licença da DETA, em 1961 é convidado pela ARTOP para trabalhos de Aerofotogrometria a fazer de Leste a Norte de Angola.

Nesse mesmo ano, entra na Companhia Mineira do Lobito, como Piloto e Public Relations. Já em 1963 inaugura o Aero Clube do Huambo, como Presidente.

Instala-se na África do Sul, em Setembro de 1969, como Delegado da Companhia Mineira do Lobito, onde permaneceu até Abril de 1974, regressando a Lisboa onde ainda exerceu algumas actividades.

Faleceu em Lisboa a 16 de Janeiro de 2004 com 91 anos.

Partiu...mas as suas memórias ficarão para sempre resguardadas na sua família presente e na vindoura.
Março - 2007 - Elisabete

2 comentários:

Anónimo disse...

Como sou natural do TELHADO FUNDÃO,e ao passar por este blog despertou-me a atenção do vosso blog dizendo que este Senhor piloto aviador era do Telhado.Pois a mim, pelo que percebi este senhor tinha primos na dita Aldeia do Telhado porque o meu pai falava neste Senhor conhecido por Alvaro Matias Ângelo que era ainda primo, e em Lisboa morou na zona do Anjos.Será a mesma Pessoa?As filhas ainda TÊM um pequena parcela de terreno na dita Aldeia.Angelo, obrigado

Luisa Hingá disse...

Resposta ao comentário anterior:
Para exclarecimento, Álvaro Matias Angelo era tio paterno do cte. Álvaro Matias da Silva Nogueira, meu tio-avô e avô da conhecida artista e cantora Vanda Stuart. Na verdade, para além de netos tem ainda filhas vivas e na realidade vivia no Bairro das Colónias R. do Forno do Tijolo. Há ainda parentes no Telhado, mas apenas conheço a Mª do Carmo nogueira que lá vive e é viuva de um agente da PSP. Espero ter esclarecido o meu "parente". Obrigada e um abraço

Mª Elisabete Nogueira