O Voando em Moçambique é um pequeno tributo à História da Aviação em Moçambique. Grande parte dos seus arquivos desapareceram ou foram destruídos e o que deles resta, permanecem porventura silenciosos nas estantes de muitos dos seus protagonistas. A História é feita por todos aqueles que nela participaram. É a esses que aqui lançamos o nosso apelo, para que nos deixem o seu contributo real, pois de certo possuirão um espólio importante, para que a História dessa Aviação se não perca nos tempos e com ela todos os seus “heróis”. As gerações futuras de certo lhes agradecerão. Muitos desses verdadeiros heróis, ilustres aventureiros desconhecidos, souberam desafiar os perigos de toda a ordem, transportando pessoas e bens de primeira necessidade ou evacuando doentes, em condições meteorológicas adversas, quais “gloriosos malucos das máquinas voadoras”. Há que incentivar todos aqueles que ainda possuam dados e documentos que possam contribuir para que essa História se faça e se não extinga com eles, que os publiquem, ou que os cedam a organizações que para isso estejam vocacionadas. A nossa gratidão a todos aqueles que ao longo dos tempos se atreveram e tiveram a coragem de escrever as suas “estórias” e memórias sobre a sua aviação. Só assim a História da Aviação em Moçambique se fará verdadeiramente, pois nenhum trabalho deste género é suficientemente exaustivo e completo. A todos esses ilustres personagens do nosso passado recente que contra tudo e todos lutaram para que essa história se fizesse, a nossa humilde e sincera homenagem.

A eles dedicamos estas linhas.

José Vilhena e Maria Luísa Hingá

========================

Quem tiver fotos e/ou documentos sobre a Aviação em Moçambique e os queira ver publicados neste blogue, pode contactar-me pelo e-mail:lhinga@gmail.com

=======================

Por motivo alheio algumas das imagens não abrem no tamanho original. Nesse caso podem selecionar “abrir imagem num novo separador” ou “Guardar imagem como…”.

28/03/07

259 - Homenagem à memória de José Eduardo Vilar Queiroz

Capa da Revista Tempo, de Moçambique com o nº. 11, de 29 de Novembro de 1970. (Encontrada na Internet)

Medalha emitida quando um grupo de amigos lhe prestou uma homenagem (póstuma) em Favaios, sua terra natal. Na mesma data foi também inaugurado um busto.
Biografia
- Foi Secretário dos Transportes e Comunicações do Governo de Moçambique, de 1969 a 1974.

- Engenheiro Electrotécnico.

- Tenente Coronel da Força Aérea Portuguesa

- Fundou a Universidade do Carril (como a malta lhe chamava) em Inhambane. Era uma escola de formação profissional dos CFM para formação de quadros e creio que as assistentes da Deta, também por lá passavam.

- Tinha uma surpresa para Moçambique. Televisão em finais de 1974. Voei com técnicos em testes de propagação de sinal.

- Revolucionou (modernizou) as comunicações telefónicas com a montagem de colossais parabólicas em zonas inóspitas.

- Inaugurou a ligação ferroviária da linha de Nacala ao Malawi.

- Autorizou por despacho que pilotos (PPA) de comprovada competência operacional mas sem formação académica pudessem operar comercialmente com uma licença restrita (não ICAO) em aviação agrícola.

- Abriu a Escola de Helis do Lumbo (já constante do blog), em cooperação com o Cte. Vinagre da Hepal.

- Destacou para Nampula um elemento dos SAC, equipado com um avião (CR-BFN) para inspecção das centenas de pistas existentes nos distritos do Norte e para facilitação doutros serviços.

- Acelerou e desburocratizou todos os processos de revalidação de licenças, exames, qualificações, certificados de navegabilidade etc., etc., sem abdicar das regras de segurança, o que causou enormes engulhos aos burocratas da praça.

Dados e fotos fornecidos por Vítor Silva, a quem agradeço.



Sem comentários: