O Voando em Moçambique é um pequeno tributo à História da Aviação em Moçambique. Grande parte dos seus arquivos desapareceram ou foram destruídos e o que deles resta, permanecem porventura silenciosos nas estantes de muitos dos seus protagonistas. A História é feita por todos aqueles que nela participaram. É a esses que aqui lançamos o nosso apelo, para que nos deixem o seu contributo real, pois de certo possuirão um espólio importante, para que a História dessa Aviação se não perca nos tempos e com ela todos os seus “heróis”. As gerações futuras de certo lhes agradecerão. Muitos desses verdadeiros heróis, ilustres aventureiros desconhecidos, souberam desafiar os perigos de toda a ordem, transportando pessoas e bens de primeira necessidade ou evacuando doentes, em condições meteorológicas adversas, quais “gloriosos malucos das máquinas voadoras”. Há que incentivar todos aqueles que ainda possuam dados e documentos que possam contribuir para que essa História se faça e se não extinga com eles, que os publiquem, ou que os cedam a organizações que para isso estejam vocacionadas. A nossa gratidão a todos aqueles que ao longo dos tempos se atreveram e tiveram a coragem de escrever as suas “estórias” e memórias sobre a sua aviação. Só assim a História da Aviação em Moçambique se fará verdadeiramente, pois nenhum trabalho deste género é suficientemente exaustivo e completo. A todos esses ilustres personagens do nosso passado recente que contra tudo e todos lutaram para que essa história se fizesse, a nossa humilde e sincera homenagem.

A eles dedicamos estas linhas.

José Vilhena e Maria Luísa Hingá

========================

Quem tiver fotos e/ou documentos sobre a Aviação em Moçambique e os queira ver publicados neste blogue, pode contactar-me pelo e-mail:lhinga@gmail.com

=======================

Por motivo alheio algumas das imagens não abrem no tamanho original. Nesse caso podem selecionar “abrir imagem num novo separador” ou “Guardar imagem como…”.

27/01/07

205-Acidentes nunca esclarecidos

Ver foto do avião no artigo 378


  • Quem se recorda também do desaparecimento daquele avião salvo erro era um Chipmunk que desapareceu entre a Inhaca e Lço Marques, em 1960?
Sobre este tema deixaram estes dois comentários:
  1. Acho que o Chipmunk foi mais tarde "pescado" pela rede de uns pescadores.Se conseguires contacto com o "madala" Rui Monteiro, através do Tito ou do Aeroclube de Portugal, talvez saiba algo.Dos outros só sei que não era eu o António Coelho de que se fala...
  2. Em 1973, foi entregue ao Aero Clube de Moçambique, por pescadores, um trem aterragem de Chipmunk, "pescado" nas suas redes, que se pensou pertencer ao fatídico avião desaparecido em 1960 (CR-AEJ).Treze anos depois!Contudo nunca foi confirmado oficialmente!O avião teria sido avistado a efectuar um voo rasante ao mar, da Inhaca para LM, “provavelmente” tendo entrado pelo mar sem hipótese de os tripulantes se terem salvo!Teriam provavelmente ficado presos pelos cintos aos seus bancos, algures no fundo da Baía de Lourenço Marques! José Vilhena

  • Alguêm sabe o que se passou a um monomotor " Piper Cherokee", do Aero Clube de Tete, com a matrícula CR-AKS?
  • E sobre o caso do avião do Aeroclube da Beira, pilotado por Teofilo dos Santos Valentim, do Aeroclube da Beira e que em 19.01.1951, ao levantar voo do Buzi em direcção à Beira, desapareceu e nunca nada deu à costa. De facto, sobre a Beira, naquela manhã pairava uma neblina que talvez lhe tenha dificultado mesmo a orientação. Logo que foi dado o alarme, procedeu-se ao maior movimento de buscas que até então se realizara em Moçambique, mas tudo em vão. Depois de vários dias de buscas constantes e minuciosas, as operações terminaram.

5 comentários:

Anónimo disse...

Oi Luisa
Este é o irmão do meu tio de que te contei a historia há uns tempos e que soube agora a data do desaparecimento indicada pelo filho que vive na Suazilãndia~-19,01,1951.
Beijinho
MManuel

Anónimo disse...

Olá
Acho que o Chipmunk foi mais tarde "pescado" pela rede de uns pescadores.
Se conseguires contacto com o "madala" Rui Monteiro, através do Tito ou do Aeroclube de Portugal, talvez saiba algo.
Dos outros só sei que não era eu o António Coelho de que se fala...
Abraço

José Vilhena disse...

Em 1973, foi entregue ao Aero Clube de Moçambique, por pescadores, um trem aterragem de Chipmunk, "pescado" nas suas redes, que se pensou pertencer ao fatídico avião desaparecido em 1960 (CR-AEJ).Treze anos depois!
Contudo nunca foi confirmado oficialmente!
O avião teria sido avistado a efectuar um voo rasante ao mar, da Inhaca para LM, “provavelmente” tendo entrado pelo mar sem hipótese de os tripulantes se terem salvo!
Teriam provavelmente ficado presos pelos cintos aos seus bancos, algures no fundo da Baía de Lourenço Marques!
José Vilhena

casadaponte disse...

Luísa,
Não sei se a memória que eu tenho da situação que vou relatar estará na memória de mais alguém, mas lembro-me era eu pequenota,isto passou-se na Beira, talvez aí em 1961/62, houve um acidente com uma avioneta ou helicóptero que provocou a sua queda e os tripulantes(creio que 2)estiveram desaparecidos durante alguns dias. Foram encontrados, já muito debilitados, pois pouco tinham para se alimentarem e a notícia foi dada na rádio com a previsão da sua chegada ao aeródromo -ficava ali no esturro nuns terrenos onde mais tarde se instalava o circo Sul Africano Boswel?e a pequenada e adultos correram todos para assistir à sua chegada...lembro-me que foi uma emoção tão grande! Lembro-me que tinham um altifalante que aquando da chegada reproduzia o fado, creio que do Tristão da Silva...o xaile de minha Mãe, que me aqueceu com carinho!...
É engraçado que eu era novinha-teria os meus 9 anos e lembro-me tão bem de sentir aquela emoção colectiva....
Beijinhos
M.Dores

Luh disse...

As coisas que uma pessoa aprende. Obrigada
Luísa